O Ministério do Trabalho divulgou uma versão atualizada da chamada “lista suja” do trabalho escravo, que reúne empregadores que submeteram funcionários a condições análogas à de escravo.

O documento denunciou 209 empresas pela prática do crime e ainda revelou que, entre 2005 e este ano, 2.879 funcionários foram submetidos por seus empregadores a exercer atividades laborativas sob condições degradantes e desumanas.

A nova lista traz tanto empregadores do espaço urbano como da zona rural. A lista oficial será divulgada apenas no final do ano, mas o governo federal já apontou características comuns entre as vítimas, como a baixa escolaridade e o fato de estarem inseridas em bolsões de pobreza.

De acordo com a Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo (Conaete), jornada exaustiva é todo expediente que, por circunstâncias de intensidade, frequência ou desgaste, cause prejuízos à saúde física ou mental do trabalhador, que, vulnerável, tem sua vontade anulada e sua dignidade atingida.

Já as condições degradantes de trabalho são aquelas em que o desprezo à dignidade da pessoa humana se instaura pela violação de direitos fundamentais do trabalhador, em especial os referentes a higiene, saúde, segurança, moradia, repouso, alimentação ou outros relacionados a direitos da personalidade. (CONIC

Clique aqui e veja a lista completa. 

Fonte: Observatório do Terceiro Setor

Foto: Reprodução

Psts Recentes

By Editor

Webjornalista & blogueiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Show Buttons
Hide Buttons